A floração de um Baoba em Natal, Rio Grande do Norte

 

 

 

Baobá vive de três a seis mil anos. Originou-se na África, é árvore sagrada. O Baobá representa também preservação e é objeto de culto, com velas, fitas, ex-votos como se fosse santo. Conhecido nos meios científicos com o nome de Adansônia Digitata, o baobá, quando adulto, é considerada a árvore que tem o tronco mais grosso do mundo, chegando em alguns casos, a medir 20 metros de diâmetro. São árvores seculares, testemunhas vivas da história, que chegam até aos 6.000 anos de Baobá é uma das árvores mais antigas da terra. Modernos métodos de avaliação, tal como o do carbono radioativo, revelam que uma árvore de 5 metros de diâmetro (a média é de 10 metros) tem 1.010 anos de idade.

Antes da utilização de técnicas avançadas, a idade dessas árvores era avaliada pela leitura de datas inscritas no tronco pelos primeiros exploradores alguns deles do século XV. Poderemos apreciar o sistema de polinização dessa planta, onde os "espíritos mágicos", os macacos que se escondem no oco e gigantesco tronco, durante o dia, e seus vizinhos, os morcegos, que percorrem longas distâncias, á noite, vêm sugar o doce néctar das flores. Essas flores têm 20 cm de diâmetro e parecem estar penduradas de cabeça para baixo, em forma de sino. Elas têm apenas 24 horas de vida O odor forte de almíscar atrai moscas varejeiras e outras agentes polinizadoras. O odor parece de carniça devido à presença de escatol, e sai rapidamente qualquer sentimento romântico em relação à árvore. Os animais sugam o néctar, e assim atuam como vetores para o pólen que adere aos seus pelos faciais.

Essa árvore é um hotel para lagartas, muitas espécies de pássaros e insetos, tais como o louva-a-deus gigante capaz de devorar uma lagartixa viva. A mariposa fecha as asas e parece um espinho de acácia. Parece que o galho esta coberto de espinhos. Na base do tronco no chão vivem o bicho-pau. A maior parte do ano o baobá esta sempre desfolhado.

O baobá é lugar de caça. O poeta Diógenes da Cunha Lima, comprou um terreno em Natal, Rio Grande do Norte para salvar uma árvore, um gigantesco baobá. São conhecidas apenas 20 árvores no país. Em Pernambuco estão dezesseis, três no Rio Grande do Norte um no Ceará e um no Rio de Janeiro. O Baobá se transformou num dos principais personagens do livro O Pequeno Príncipe, de Saint-Exupéry, editado pela primeira vez, em Nova York, em 1943. Diógenes da Cunha Lima garante que antes de ser famoso na década de 30, Saint-Exupéry pousou seu avião em Natal , e foi na cidade do Sol que ele conheceu o baobá."O solo do planeta estava infestado. E um baobá, se a gente custa a descobri-lo, nunca mais se livra dele Atravanca todo o planeta, é pequeno e os baobás numerosos, o planeta acaba rachando. Meninos! Cuidado com os baobás!" (Antoine de Saint-Exupéry, em O Pequeno Príncipe.

 

 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


     

 

    

 

 

 

 

       A Floração do BaoBa dura só um dia!

 

  

 

 

 

      

 

      

 

  

 

 

 

 

Fotos Maria Luiza d´Orey Lacerda Soares

 

 

 

Colaboração da Professora Rosana Portella